Música

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Pela Ermida, Pozo da Seima, Ermita do Xurés, Rio Vilameá e Rio Caldo na Ponte da Seara.


2 dias de montanha com passagens programadas em variadíssimos locais, começou com uma visita a alguns amigos da aldeia da Ermida (Ponte da Barca), seguimos então em direção à belíssima aldeia de A Cela (Lobios) na Serra do Xurés para percorremos o trilho que nos levaria ao imponente Pozo da Seima, daqui seguimos para uma pequena visita à Ermita do Xurés, daqui e dos seus 690 metros de altitude temos uma vista privilegiada sobre todo o vale do Rio Caldo, manda a tradição que quem visita este local suba à torre da Igreja e toque o sino...Assim fizemos.
Daqui seguimos para um pequeno trilho junto ao Rio Vilameá, a chamada "Ruta dos Muiños do Vilameá", aqui aproveitamos para um pequeno banho numa das muitas lagoas que este belo rio vai formando ao longo do seu percurso. 
Depois do Rio Vilameá partimos em direção ao S.Bento da Porta Aberta para trilharmos algum caminho até ao local que dá pelo nome de Ponte da Seara, local sempre perfeito com uma belíssima praia junto ao Rio Caldo, por qui ficamos algum tempo a contemplar e a explorar um pouco deste local onde reina a paz e uma absoluta tranquilidade.
O dia começava a caminhar para a noite e era tempo de nos deslocarmos até ao local de pernoita, o abrigo conhecido por "Moinho o Armando" é mais um local lindíssimo junto ao Rio Homem e à Ponte Medieval de Quitão, apesar de privado aqui ficamos com a devida autorização do proprietário deste local.
Manhã cedo e por motivos pessoais fizemos o regresso a casa, a caminho ainda aproveitamos para uma pequena visita à bonita aldeia de Cabaninhas e a Ponte Romana de Cabaninhas sobre o Ribeiro de Rodas.
Momentos de enorme tranquilidade que como tantos outros ficam para sempre na nossa memória.






















































































1 comentário:

  1. Parabéns
    Pelo seu amor por esta terra, obrigado por partilhar as suas caminhadas e descobertas, obrigado por mostrar aos outros pelo seu olhar e o seu sentir toda a grandeza do Gerês.
    A mim fez-me sonhar, só me apetece colocar a mochila às costas pegar na bicicleta e partir.
    Depois de ver as suas caminhadas eu que conheço alguma coisa do Gerês senti-me tão pequeno, tão ignorante. obrigado

    ResponderEliminar