Música

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

A abandonada aldeia medieval de Juriz ou Sancti Vicencii de Gerez...


   Em termos demográficos a antiga aldeia eleva-se a cerca de 1000 metros de altitude e situa-se a uma distância de 1.300 metros da aldeia de Pitões das Júnias, a aldeia de Pitões pensa-se que terá sido a natural substituta da aldeia de Juriz.
   Conservam-se vestígios de cerca de 40 habitações toscas e retangulares construídas em blocos graníticos e escondidas por entre o mágico Carvalhal do Beredo, os arruamentos encontram-se ainda hoje em bom estado de conservação, inclusive o arruamento que nos leva por entre um majestoso carvalhal até ao Rio Beredo, local onde ainda hoje é possível vislumbrar alguns vestígios de escória (minérios) e de uma antiga Ponte.
   A aldeia de Juriz ou Sancti Vicencii de Gerez é referida nas inquirições Afonsinas de 1258 e pensa-se que o seu abandono no século XV se deva talvez a um surto de Peste, é apenas uma suposição porque não existe nenhuma evidência que comprove esta ideia, diz-se também que talvez se deva a uma praga de formigas, enfim...muitos "talvez".
   A Cruz de Juriz ou a "igreja do castelo" é um local de vastos sentimentos, local sagrado e onde até um não crente como eu se sente "abençoado", local onde todos os que vivem, sentem e respiram montanha obrigatoriamente param um bom bocado em plena reflexão..., a Cruz de Juriz ainda hoje é motivo de especulações relativamente ao seu significado, diz-se que era o local da "igreja" de Sancti Vicencii de Gerez...Diz-se também que aqui se faziam sacrifícios humanos...
   No meio de tantas incertezas uma coisa é certa e real, este local transporta-nos para memórias de outras eras, guia o nosso imaginário para outros tempos, outras culturas, outras vivências, ao continuar o nosso caminho e deixando este local para trás vamos certamente espiritualmente mais ricos...

Ao fundo "A Cruz de Juriz"

Carvalhal do Beredo

Pequeno abrigo natural

Habitações em ruínas 







Cruz de Juriz







1 comentário:

  1. Muito bem Álvaro gostei de ler...estas linhas inspiraram em mim a visita a esse lugar...Abraço.
    ...e vemos-nos ai por esses caminhos...

    ResponderEliminar